Dia dos namorados – Proibido para pessoas sensíveis

Era meio-dia, encontrava-me em um café na av. Paes de Barros. Um lugar agradável. Nas paredes, do lado esquerdo, existiam balcões de mogno e mármore negro, nas paredes havia prateleiras repletas de bebidas importadas. As mesas eram do século XIX. Os funcionários resumiam-se a sete pessoas. Destas, três eram cozinheiros, dois balconistas e duas garçonetes. Os cozinheiros que podiam ser vistos em uma janela de vidro ao fundo do restaurante entrando e saindo com os pratos eram pessoas de meia idade, um tanto quanto caladas, enquanto os balconistas e as garçonetes eram jovens solícitos e lépidos. Como era hora de almoço, o lugar estava cheio, algumas pessoas solitárias, outras em pequenos grupos, todas comendo lanches, sorvetes ou a comida básica do brasileiro: arroz, feijão, salada, ovos e carne acompanhados por um suco de laranja.

amor

Porém, eu não comia nada, esperava minha amada, estava distraído a reparar nas pessoas quando olhei para o relógio; já havia passado 7 minutos. Então comecei a me angustiar, ela não chegava, comecei a olhar pela vidraça, na frente do café, onde eu, sentado em uma mesinha de dois lugares, permanecia. Comecei a suar, pelo medo de ser esquecido e também pelo fato de o sol estar a pino, em um dia de verão. Sentia ainda mais o calor, pois meus trajes eram negros. O medo, a angústia, a preocupação se converteram em nervosismo, raiva, ódio; mas logo me sentia fraco, preocupado. E esses sentimentos opostos estavam em constantes choques, enquanto eu olhava a avenida movimentada e complicada. Já era 12:14, quando os faróis e as poucas luzes do café se apagaram, era o apagão. Não tinha importância, a vidraça permitia a entrada da luz solar. O importante era a dor e angústia de ser esquecido pela minha amada. Olhei o cardápio para distrair, as letras começaram a se embaralhar na cabeça. Pensei em ir, estava nervoso e irritado.

 

dia dos namorados

 

Entretanto, involuntariamente, olhei pela vidraça e … a vi, a minha doce amada, correndo com seus cabelos negros a esvoaçar, olhos cintilantes, com roupas claras … e vendo-a  me enchi de felicidade, não conseguia me mover, estava em um estado de profunda emoção … quando, repentinamente, fiquei estarrecido. Uma buzina, um grito, um corpo desmantelado a voar, um caminhão a fugir, uma multidão a aglomerar-se, eu a correr, eu, a morte, o sangue e, então, a depressão, a insanidade e a loucura.

 

Feliz dia dos namorados!

 

dia dos namorados morte

Anúncios

5 pensamentos sobre “Dia dos namorados – Proibido para pessoas sensíveis

  1. Clara disse:

    olha ,

  2. solange disse:

    ah-háa, vc. roubou meu coração, literalmente!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s