Grandes batalhas CVIII: Natalis invicti solis! Em comemoração ao início do verão e ao Natal, nascimento do Deus Sol Mitra, qual seu deus-solar preferido?

Esta galeria contém 10 imagens.

   

Top 10 da mitologia egípcia! Veja os mais poderosos deuses egípcios

Esta galeria contém 10 imagens.

  Uma enquete antes da lista do top 10: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 10º Neith: Era a deusa da guerra e da caça, tinha duas personalidades como a maioria das deusas egípicias, às vezes era feroz (TPM?), às vezes uma deusa boa. É mencionada em textos entalhados nas pirâmides junto a Ísis, Néftis e Serket (foi o primeiro […]

Nut, Geb, Bes, Hator (Sekhmet), Tot, Rá e Néftis. Deuses egípcios menos festejados

Mais alguns deuses egípcios. Com exceção do deus Rá, os demais não são tão conhecidos… por enquanto.

Nut e Geb

Nut é uma deusa egípcia. Representava o céu e era significativamente invocada como a mãe dos deuses.

É muitas vezes representada sob a forma de uma vaca, por alusão a uma metamorfose por que espontaneamente teria passado. Era representada por uma belíssima mulher, trazendo o disco solar orlando sua cabeça.

Com o seu corpo alongado, coberto por estrelas, forma o arco da abóbada celeste que se estende sobre a terra. É como um abraço da deusa do céu sobre Geb, o deus da Terra.

O deus Khepera criou-se a partir da matéria primordial ao dizer seu próprio nome, em seguida ele procriou os deuses Shu e Tefnut, formando a primeira trindade. De Shu e Tefnut nasceram Geb  e Nut.

Nut, esposa de Geb, foi a mãe de Osíris, Horus, Seth, Ísis e Néftis, em um único parto. Osiris e Isis já se amavam no ventre da mãe e a maldade de Seth logo ficou evidente quando, ao nascer, este rasgou o ventre da mãe.

 

BES

Tot, o deus da sabedoria

Néftis, a sombra de Ísis

Filha de Nut e Geb, irmã de Ísis e Osíris e irmã-esposa de Seth, Néftis representa a obscuridade. Representa a parte invisível: a noite, a morte como passagem para outra vida. Neste sentido, representa o oposto de Ísis, entretanto as duas estão associadas e costumam atuar juntas pelo bem estar dos mortos, assistindo em seu caminho ao “Outro Mundo” através de cânticos. No começo da criação do mundo, junto com Seth, semeou o caos e a destruição, ao contrário de Ísis e Osíris que civilizaram o mundo e difundiram o amor e a paz. Seu nome também significa “Senhora da Casa”, entendendo-se por casa, o céu; a morada onde vive Hórus. O ideograma com seu nome está estampado na coroa que ostenta na bela cabeça. Com seu poder criador ativo protegeu Osíris. Muitos também lhe atribuíam poderes mágicos e recebeu o apelido de “Poderosa das Palavras”. Acredita-se que vivia em terras inóspitas como o deserto, por onde guiava e orientava os viajantes. Está bastante envolvida no mito de Osíris, pois ajudou Ísis a embalsamar o deus morto, tendo sido também chamada de “Senhora do Corpo” (de Osíris). Chegaram a chamar as ataduras para embalsamar as múmias de “Mechas de Néftis”. Recebeu a alcunha de “Mulher sem vagina” como mulher de Seth, porém teve relações sexuais com Osíris e desta união gerou Anúbis (Ísis era chifruda!). É representada a cabeceira do defunto, velando por ele.

Hator e Sekhmet

Rá é o “Grande Deus” anônimo, símbolo da luz solar, criador da vida, assim como responsável pelo ciclo da morte e da ressurreição. Possuidor de inúmeras virtudes, é rei do mundo e Primeiro Senhor. Depois, desgostoso dos homens, deixou Thot em seu lugar e foi para o céu, onde estabeleceu sua morada.. Sua representação mais comum é a de um homem com cabeça de falcão, sobre a qual trazia um disco solar. A partir de 2400 A.C passou a ser o deus oficial dos faraós, que se consideravam seus filhos. A mitologia em torno de Rá o descreve como cruzando o céu, durante o dia (com sua nave solar) e utilizando outra nave pela Duat, sob a forma de Sol poente. Foi considerado indestrutível porque ninguém conhecia seu nome. Em sua viagem como sol, ao morrer, no fim da tarde, Rá adotava a forma de um carneiro e entrava na boca da deusa do céu, Nut, atravessando seu corpo pela noite e, durante este percurso lutava com a serpente, Apofis, que vivia nas águas profundas e tentava impedir o nascimento de um novo dia. Durante as 12 horas de escuridão, o deus visitava as 12 regiões da Duat, habitadas por monstros que tentavam impedir o avanço da nave. Todas as manhãs renascia como um novo sol. Também representa a fertilidade e o poder de germinar.