Mitologia japonesa: Tsukuyomi (ツクヨミ, 月讀), Susanno (須佐之男命), Amaterasu ((天照)), Izanami e Izanagi

Antes do post, uma enquete:

Amaterasu, deusa do sol

Amaterasu (天照), também conhecida como Amaterasu-Oho-No-Kami (天照大神), cujo nome significa “Grande Deusa Augusta que ilumina o céu“, é a Deusa do Sol, divindade japonesa que vela sobre os homens e os enche de benefícios. Nasceu do olho esquerdo de Izanagi (伊邪那岐) e domina o panteão xintoista, em que figura um certo número de personificações das forças naturais. É representada empunhando um disco solar. O Kojiki (古事記), o documento mais antigo sobre a história do Japão não usava pronomes ou gêneros. Alguns livros como Hotsuma Tsutae descrevia a divindade como homem.

“Amaterasu vivia em uma gruta, em companhia de suas criadas, que lhes teciam cotidianamente um quimono da cor do tempo. Todos os dias de manhã, ela saía para iluminar a Terra. Até o dia em que seu irmão, Susanoo, (deus do Oceano) em acesso de fúria destruiu campos de arroz (em outra versão descreve a ira de Deus, após uma negociação fracassada para remediar uma disputa entre os três irmãos de Amaterasu). Susanoo, insatisfeito jogou um cavalo morto celestial sobre os teares das criadas tecelãs. Assustadas, elas se atropelaram, e uma delas morreu, perfurado por sua própria lançadeira. A deusa Amaterasu não apreciou a brincadeira. Zangada, recolheu-se em sua caverna celestial e a luz desapareceu. O mundo congelou e os campos murcharam. E o pânico foi semeado até no céu, onde viviam os deuses e deusas, que como os humanos, também não enxergavam nada. Os deuses temendo a escuridão eterna organizaram uma festa na entrada da caverna. Eles se reuniram e bolaram uma estratagema. O deus da inteligência, Omoikane, pediu a todos que comparecessem ao redor da caverna e colocar um espelho apontando para a entrada. Pediram a Uzume, a mais engraçada das deusas, que os distraísse diante da gruta fechada em que Amaterasu estava amuada. Uzume não usou de meios termos: pôs-se a dançar provocantemente, exibindo suas partes íntimas com caretas irresistíveis. Estava tão divertida que os deuses desataram na gargalhada… Curiosa, Amaterasu não aguentou: entreabriu a pedra que fechava a gruta, e os deuses lhe direcionaram um espelho onde ela viu uma mulher esplêndida. Surpresa, ela se adiantou. Então os deuses agarraram-na e Amaterasu saiu para sempre de sua caverna celestial. O mundo estava salvo.”

Susanoo, deus do oceano

Susanoo, descontente com a negociação destinada a remediar uma disputa entre os seus dois irmãos, faz grandes patifarias à irmã Amaterasu, ‘deusa do Sol’, a ponto de a fazer fugir para uma caverna chamado Iwayado, deixando o mundo na escuridão. Todos os outros kami, reunidos, concebem então um plano para a fazer sair. Com grande alarido, gritos e risos, despertam a curiosidade da deusa solar, que a leva a entreabrir a entrada da caverna. Atraída por um espelho colocado à sua frente, acaba por sair, sendo então fechada a caverna, para a impedir de que entrasse novamente. Garantida de novo a luz, Susano é condenado a pagar uma multa e a ser desterrado dos céus. Mais tarde, ele arrepende-se e acaba por presentear a irmã com um esplêndido sabre retirado do corpo de um dragão que ele matou.

Susanoo aparece em várias histórias. Uma história fala do comportamento impossível de Susanoo contra Izanagi. Izanagi, cansado de sofrer ataques de Susanoo, desapareceu no Yomi. Susanoo desgostoso concordou, mas tinha negócios inacabados para resolver primeiro. Ele foi para Takamanohara (céu) para dizer adeus a sua irmã, Amaterasu. Amaterasu sabia que seu irmão não tinha boa intenção em mente e se preparou para a batalha. Amaterasu pensando que Susano queria o Takaamahara para si vai ao encontro de Susano.

Susano propõe um acordo para provar que suas intenções são boas. Amaterasu concorda. Primeiro, Amaterasu pega a espada de Susano e cria três deusas, as Munakata Sanjojin. Então, Susano pega um colar de jóias de Amaterasu e nascem cinco deuses, todos homens.

Amaterasu diz que os deuses que nasceram a partir do colar de jóias foram feitos a partir de um objeto seu, portanto são filhos dela. Amaterasu afirma também que os deusas que nasceram da espada são filhas de Susano. Todos os deuses dominavam um elemento da criação e da destruição: o ar, a luz e a natureza. Ambos os deuses reivindicaram a vitória. A insistência causou violentas campanhas que atingiu seu clímax quando Susanowo jogou um ‘cavalo morto celestial’ sobre os teares das criadas tecelãs de Amaterasu onde uma de suas criadas morreu. Amaterasu fugiu e se escondeu na caverna chamada Iwayado. Enquanto a deusa do sol desapareceu, as trevas cobriam o mundo.

Tsukuyomi

Tsukuyomi ou Tsukyiomi, também conhecido como Tsukuyomi-no-kami, é o deus da lua no xintoísmo e na mitologia japonesa. O nome Tsukuyoi é uma combinação das palavras japonesas lua/mês (tsuki) e “ler; contar”(yomu). Outra interpretação de seu nome é a combinação de “Noite iluminada pela Lua” (Tsukiyo) e um verbo significando “Olhando para” (miru). Ainda outra interpretação diz que o kanji para “arco”(弓, yumi) foi corrompido com o kanji para “yomi”. “Yomi” Também pode se referir ao mundo subterrâneo, apesar desta interpretação não ser bem aceita.

Tsukuyomi foi a segunda das “Três nobres crianças” nascidas quando Izanagi, o Deus que criou a primeira terra, Onogoro-shima, Izanagi estava se purificando dos pecados enquanto se banhava depois de escapar do mundo subterrâneo e das correntes de sua enraivecida esposa, Izanami. Tsukuyomi nasceu quando Izanagi o lavou de seu olho direito. De qualquer forma, em uma história alternativa, Tsukuyomi nasceu de um espelho feito de cobre branco na mão direita de Izanagi.

Depois de subir a escada celestial, Tsukuyomi viveu no “paraiso”, também conhecido como Takamagahara, com sua irmã Amaterassu, a Deusa do Sol.

Izanami e Izanagi

Izanagi e Izanami geraram todos os outros kamis do mundo, mas Izanami morreu ao dar à luz ao Kagutsuchi (encarnação de fogo). Perdido em raiva, Izanagi matou Kagutsuchi. Sua morte também criou dezenas de divindades. Izanagi inconformado com a morte de Izanami empreendeu uma viagem a Yomi ou “a terra sombria dos mortos.” As saídas de Yomi são guardadas por criaturas terríveis e é onde os mortos vão para, aparentemente, apodrecer por tempo indefinido. Uma vez caída lá, a alma nunca mais poderá voltar para a terra dos vivos. Ela, prometendo retornar, diz que vai para o Submundo e que lá ele não poderia ir, tendo de esperar. Izanagi espera, mas depois de muito tempo resolve quebrar a promessa e vai atrás de Izanami. Izanagi procura Izanami e rapidamente a encontrou. Inicialmente Izanagi não poderia vê-la porque as sombras a escondiam, mas ele pediu a Izanami para ela voltar com ele. Izanami disse que era tarde demais pois já tinha comido o alimento do submundo e pertencia agora a terra dos mortos. Ela não poderia voltar à vida. Izanagi ficou chocado com a notícia mas concordou em retornar ao mundo superior, mas antes pediu para deixá-lo dormir na entrada do submundo. Enquanto ele dormia ao lado dela, Izanagi pega uma pente que prendia o cabelo de Inazami acendendo fogo para usar como uma tocha. Sob a luz da tocha, ele observa a forma horrível de Izanami outrora bela e graciosa. Agora era uma forma de carne em decomposição que dava luz a vários demônios, com vermes e criaturas demoníacas deslizando sobre seu corpo. Ela, percebendo a audácia de seu marido, manda os demônios o perseguirem. Fugindo das criaturas demoníacas, Izanagi pega a pente e o quebra, jogando seus pedaços no chão. Os demônios, famintos, devoram os brotos de bambu que surgiram da pente. Izanagi foge dos demônios, e rolando uma pedra enorme, os prende no Yomi. Izanagi furioso por Izanami lhe trair, usa os poderes do sol e destroi todos os demônios. E assim começou a existência da morte, causada pelo orgulho de Izanami.

Filhos mais importantes:

  • Amaterasu (encarnação do sol) a partir de seu olho esquerdo
  • Tsukuyomi (encarnação da lua) de seu olho direito e
  • Susanoo (encarnação do mar) do seu nariz

Izanagi dividiu o mundo entre eles. A deusa Amaterasu herdaria os céus, Tsukuyomi tomaria o controle da noite e Susanoo seria o deus da tempestade e dos mares.

Criaturas mitológicas: Cérbero, Cerberus, Equidna, Tifão, Tífon, Cecaelia, Medusa, Górgona, Quimera, Manticore, Kraken, Hárpias, Minotauro, Ciclops, Cyclops, Centauro, Apófis, apophis, Hecatônquiros, Hidra, Fenrir

Agora fodeu, veja os monstrões da mitologia!

PS: As sereias então em outro tópico: https://fenixdefogo.wordpress.com/2012/05/01/sereias-sereia-anfitrite-nereida-ariel-poseidon-mermaid-iara-tritao-naga-iemanja/

PPS: A fênix também!

Cérbero

Cérbero, um cão monstruoso de três cabeças e cauda em forma de serpente, era filho de Equidna e de Tífon, portanto irmão de Ortro, da Hidra de Lerna e da Quimera. Ele guardava a entrada do Hades e permitia a entrada de todos, mas não deixava que ninguém saísse.

Quando os homens morriam, eram transportados na barca de Caronte para a outra margem do rio Aqueronte, onde se situava a entrada do reino de Hades. Não só atormentava as almas que tentavam escapar do inferno, como também as que ali penetravam

 

http://www.youtube.com/watch?v=j7cPdIwlz60&feature=related

Éris, Héstia, Vesta (para romanos), Hades, Hypnos e Thanatos; Erínias ou fúrias

Éris e o pomo da discórdia.

Sobre Éris e a Guerra de Troia:

A discórdia é boa, pois politiza o debate. Por exemplo: em plenas eleições, nada melhor que a discórdia no horário eleitoral e nos debates para ajudar os eleitores a decidir qual é o melhor candidato. Além disso, a discórdia é protegida por Voltaire, que para evitar a ditadura, impele à discussão. Nada melhor do que uma briga franca e direta, sem hipocrisia, para alcançar alguma conclusão. No que concerne ao mito da guerra de Troia, a menos culpada pela eclosão da peleja militar e pela morte de milhares de inocentes é Éris. Ela não teve culpa pela vaidade exarcebada das três deusas “sem noção” e pela falta de decisão de Zeus, que foi complacente com a situação de beligerância gratuita das deusas irresponsáveis. Éris não pode ser responsabilizada por uma situação que não deu causa. O nexo de causalidade foi rompido a partir do momento que as picuinhas entre as três deusas começaram e não foram encerradas incontinenti por Zeus. A culpa pela guerra é de Zeus e das três divindades fúteis, que a estimularam e dela participaram. É muito fácil imputar a culpa a Éris, só porque vive isolada e tem fama de ser uma pessoa difícil. Além disso, ela teve uma reação compreensível. Se Ares, deus da guerra, foi convidado para a festa dos deuses, por que ela não seria? A guerra é muito pior que a discórdia, pois a guerra atinge o plano material e a discórdia não. Enfim, a discórdia é a base da democracia e Éris agiu bem em reagir. Ninguém deve levar desaforo para casa de forma gratuita. Não convidar uma deusa com base em meras conjecturas é um erro que pode justificar a atitude de Éris, afinal de contas, quem cala consente e quem não chora não mama.

Vídeo bacana! Adoro ver mulheres brigando!!

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Héstia

Héstia  é a deusa grega dos laços familiares, simbolizada pelo fogo da lareira.  Filha de Cronos e Reia  para os gregos era uma das doze divindades olímpicas. A ordem de nascimento de seus irmãos é Héstia (a mais velha), seguida de Deméter e Hera, seguidas de Hades e Poseidon; o próximo a nascer, Zeus, foi escondido por Reia em Creta, que deu uma pedra para Cronos comer.
Cortejada por Posseidon e Apolo jurou virgindade perante Zeus, e dele recebeu a honra de ser venerada em todos os lares, ser incluída em todos os sacrifícios e permanecer em paz, em seu palácio cercada do respeito de deuses e mortais.
Embora não apareça com frequência nas histórias mitológicas, era admirada por todos os deuses (“ela não enchia o saco de ninguém, por isso era admirada. Na mitologia, a maioria das personagens é maluca e inconveniente”). Era a personificação da moradia estável, onde as pessoas se reuniam para orar e oferecer sacrifícios aos deuses. Era adorada como protetora das cidades, das famílias e das colônias.
Este é o arquétipo da mulher que valoriza o lar, que aprecia tomar conta de casa. Gosta de fazer as tarefas domésticas para agradar a si mesma. Também é comum àquelas que se dedicam a uma vida religiosa ou à meditação. Ela é quieta, reservada, calma, introvertida e aprecia a solidão (muitas vezes, sente-se alienada do mundo que a cerca) (“conheço várias barraqueiras e embora às prefira, às vezes é bom ter um pouco de serenidade e sossego”).
No trabalho, não é competitiva, sendo que trabalhar não é seu forte (“kkkkk já conheci várias pessoas assim kkkk”). Falta-lhe ambição, desejo de poder e de reconhecimento. Quando desempenha uma atividade profissional o faz com esmero mas de modo nada apelativo – apenas faz o que tem que fazer.
Tem poucas amizades pois não gosta de conversas triviais (“neste ponto eu sou igual à Héstia, não gosto de conversas triviais, mas tenho muitos amigos”). A sexualidade não é muito importante (“que pena”).
Expressa seus sentimentos e interesses de maneira indireta, através de gestos amáveis.
Como Deusa da lareira, Héstia é o arquétipo ativo nas mulheres que acham que tomar conta de casa é uma tarefa significativa. Com Héstia, proteger a lareira é um meio através do qual a mulher coloca a si mesma e sua casa em ordem.

O arquétipo de Héstia desenvolve-se em comunidades religiosas, principalmente nas que cultivam o silêncio (“ou seja, na cidade de São Paulo sem chance. Aqui as pessoas são barulhentas, não dá nem para pensar. Ninguém reflete na capital paulista, as pessoas apenas se preocupam em falar, falar, falar e falam alto e apenas trivialidades. Nada de importante. Aliás, o assunto mais recorrente é sobre as promoções dos planos de telefonia. Não sei se rio ou se choro”). As freiras e as virgens vestais compartilham o padrão arquetípico de Héstia.

Fontes:
Texto na íntegra e sem meus comentários:

Ajude/help Héstia aqui.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Hypnos, Thanatos e Hades

Infelizmente a grande maioria de figuras diz respeito aos cavaleiros do zodíaco, não que eu não goste de CDZ, aliás, sou fã, entretanto, é legal mostrar as diversas projeções desses personagens.

Ajude os juízes de Hades, Hypnos e Thanatos! O submundo conta com você!

Erínias ou fúrias

Ajude as Erínias, ou Fúrias.

Deuses egípcios: Ísis, Osíris, Bastet, Sobek, Seth, Apófis, Hórus

Antes do post, duas enquetes:

Documentário sobre a civilização egípcia:

Os deuses egípcios mais proeminentes. Porém, antes de conhecê-los…

Ajude a trindade familiar egípcia na enquete abaixo.

Ajude Neith na enquete abaixo:

E se puder, não se esqueça de ajudar o filho dela, Sobek, no final deste post.

Apófis

Na mitologia egípcia, Apep (ou Apophis, em grego. Também conhecida como Apófis), é um monstro em forma de serpente que combatia o deus Rá ao cair de cada noite, sendo sempre morta, mas sempre ressuscitando. Também chamada de Apepi ou Aapep.

Apep é uma criatura maligna do submundo e um inimigo dos deuses (embora às vezes seja aliado de Seth). Ele é a personificação do próprio caos, destruição e do mal na mitologia Faraônica (Egípcia). Apep surge como uma serpente gigantesca, com 30m de comprimento. É servido por hordas de demônios, a maioria possuindo qualidades de serpente do fogo, quando havia um Eclipse era o corpo gigantesco de Apep,cobrindo a luz do Sol,enquanto tentava destruir a barca de Rá. Apep Se encontrava no ultimo dos 12 portões do Submundo, onde era o maior desafio de Rá.

BASTET

Na mitologia egípcia, Bastet, Bast, Ubasti, Ba-en-Aset ou Ailuros (palavra grega para “gato”) é uma divindade solar e deusa da fertilidade, além de protetora das mulheres grávidas. Também tinha o poder sobre os eclipses solares. Quando os gregos chegaram no Egito, eles associaram Bastet com Artemis e ela deixou de ser a deusa do sol para ser a deusa da lua.

Era representada como uma mulher com cabeça de gato, que tinha na mão o sistro, instrumento musical sagrado. Por vezes, tinha na orelha um grande brinco, bem como um colar e um cesto onde colocava as crias. Podia também ser representada como um simples gato.

Por vezes é confundida como Sekhmet, adquirindo neste caso o aspecto feroz de leoa. Certa vez, Rá ordenou a Sekhmet que castigasse a humanidade por causa de sua desobediência. A deusa, que é representada com cabeça de leoa, executou a tarefa com tamanha fúria que o deus Rá precisou embebedá-la com vinho, pela semelhança com sangue, para que ela não acabasse exterminando toda a raça humana.

O seu centro de culto estava na cidade de Bubastis, na região oriental do Delta do Nilo. Nos seus templos foram criados gatos que eram considerados como encarnação da deusa e que eram por essa razão tratados da melhor maneira possível. Quando estes animais morriam eram mumificados, sendo enterrados em locais reservados para eles.

Ajude Bastet na enquete abaixo:

Ísis

Ísis é filha de Nut e Geb, esposa e irmã de Osíris e mãe de Hórus. É a rainha dos deuses, da maternidade, do nascimento e da família. É considerada a criadora do casamento. É a protetora dos mortos e a deusa principal em todos os rituais relacionados à morte. Foi também conhecida como “A Grande Maga”, por haver recuperado os pedaços retalhados do cadáver de Osíris, ressuscitando o marido e procriado com ele, gerando Hórus. Criou também, através da magia, a primeira cobra e usou seu veneno para obrigar Rá a revelar seu nome secreto. Com o poder que adquiriu, cura as doenças dos deuses. Governa os encantamentos, tem personalidade terrível e a guarda pessoal é composta por sete escorpiões. Quando Hórus venceu Seth em batalha, Isis intercedeu pela vida do irmão. Possui os poderes também de uma deusa da água, da terra, da colheita e da estrela. Como mulher, reuniu todos os atributos de todas as deusas egípcias. Uma de suas representações mais frequentes é como mãe, amamentando o pequeno Hórus. Costuma também ser representada como uma vaca. Foi denominada “Grande deusa mãe”, “Rainha dos Deuses’, “Força fecundadora da natureza”, “Deusa da maternidade e do nascimento”.

Hórus

Hórus, “o altivo”, é o deus dos céus, na mitologia egípcia. Filho de Ísis e Osíris, é considerado o iniciador da civilização egípcia, sendo por isto comparado ao deus Apolo. Foi educado por Thot, que o instruiu e criou até transformá-lo em um exímio guerreiro. Lutou contra Seth para recuperar o trono do pai e o venceu, conquistando primeiro o Baixo Egito e, finalmente, conquistando todo o Egito. É representado como um falcão. Desde o Antigo Império, o faraó representava a manifestação de Hórus na terra, apesar de que, quando morresse se juntararia ao deus criador Rá. Pertence a tríade sagrada: Osíris, Isis e Hórus. Foi criado por Thot que o educou até transformá-lo em um guerreiro exímio. Ao alcançar a maioridade, lutou contra Seth, a fim de recuperar o trono de seu pai, assassinado por este. Seth por algum tempo, ficou apenas como governante do Alto Egito e Hórus do Baixo Egito. Tempos depois, Hórus governou o Egito inteiro, enquanto Seth ficou sendo o deus do deserto e dos povos estrangeiros. Hórus perdeu o olho esquerdo e as mãos na batalha contra Seth, enquanto este perdeu os dois testículos. Hórus recuperou seu olho e o ofereceu como um talismã ao pai. Este mito representa a luta entre a fertilidade do Vale do Nilo (Osíris) e a aridez do deserto (Seth). Ele é protetor de Osíris no submundo e mediador dos mortos durante o julgamento de Osíris. É também senhor da montanha por onde desperta o Sol e desempenha um papel primordial como deus de cura. Seus animais de sacrifício durante a infância eram os touros, cabras e porcos.

Seth

Filho de Nut e Geb e irmão-esposo de Néftis, Seth está relacionado ao deserto, ao trovão e as rajadas do vento sul. É um deus mais explosivo do que perverso. O aspecto negativo é em função da seca, esterilidade, violência e da fome. Recebeu o deserto como herança de Geb, porém com inveja do irmão, assassinou e o cortou em pedaços por haver recebido a parte fértil do Egito (Geb deveria ter dado a metade das partes desérticas e férteis para cada irmão, assim não haveria inveja ou intrigas. Geb é um fanfarrão!). A luta entre Seth e Osíris era a luta da fertilidade contra a seca. É o senhor do mal e das trevas, da ausência de luz, que protege as caravanas que se adentram em seus domínios, mas também provoca as tormentas que fazem com que as mesmas caravanas se percam. No duplo papel de protetor-destruidor das terras áridas, Seth era adorado porque seu humor determinava o futuro daqueles que atravessavam seus domínios. Entretanto, não era considerado totalmente mau. Os faraós promoveram sua imagem como um deus guerreiro, que protegia a barca de Rá durante a noite, evitando que Apófis a afundasse. No Reino Novo foi considerado um deus benéfico, patrono da guerra e da produção dos oásis. Representado por um animal não-identificado, mistura do tamanduá, asna, de orelhas retangulares, com o focinho curvado para baixo e uma longa cauda, tinha os olhos e os pelos vermelhos, como o deserto. Seus animais sagrados eram o porco, o asno, crocodilo, o hipopótamo, a serpente e o peixe.

Ajude Seth aqui.

Help Seth here.

Osíris

Filho de Nut e Geb e marido de Isis, Osíris foi um dos deuses mais populares e importantes de todo o panteão egípcio. Chefe da tríade formada por Osíris, Isis e Hórus, nos textos funerários aparece como Rá. É um deus rei, apesar de sua soberania ser exercida no reino dos mortos. De qualquer forma, era um deus agrário. Representa a renovação, o renascimento da terra após a inundação do Nilo (já que morria na estação mais seca e renascia após a retirada das águas do crescimento, enquanto Seth reinava como um deus caótico do deserto). Chegou a ser rei do Egito e ensinou a civilização através da amabilidade e persuasão. Ensinou a agricultura aos homens, estabeleceu um código de leis e fez com que os homens respeitassem e adorassem os deuses. Em seguida, viajou por outros países para continuar seus ensinamentos, deixando Isis no governo. Ao retornar, Seth e seus 72 companheiros fizeram com que Osíris se trancasse em uma arca e o lançaram no Nilo. Ísis o trouxe de volta, porém Seth o encontrou e cortou-lhe em pedaços, espalhando as partes por todo o Egito. Depois de ter seu corpo recomposto e retornado à vida graças a esposa, Ísis concebeu Hórus com ele e o filho vingou sua morte governando o Egito e enviando Seth ao deserto. Osíris não pode retornar a Terra e permaneceu como deus do mundo inferior. Como Hórus representava o faraó em vida, ao morrer transformava-se em Osíris, sob a forma que era conhecido e adorado na terra. Este deus preside o Tribunal do Juízo da alma e decide o veredito.

VOTE NA BALANÇA DE MAAT USADA POR OSÍRIS OU NO OLHO DE HÓRUS!

Sobek

Sobek era o deus-crocodilo dos Antigos Egípcios, sendo representado ora como um crocodilo (colocado num altar ou santuário) ou então como um homem com cabeça de crocodilo, muitas vezes, neste caso, ostentando uma coroa com duas grandes plumas, o disco solar e uma ou mais uraeus (serpentes sagradas).

Os seus principais centros de culto no Antigo Egito eram dois: Fayum e Kom Ombo. Fayum, antes Shedjet, ficou até conhecida como Crocodilopolis (“cidade do crocodilo”, em grego, junto a Medinet el-Fayum), junto ao lago com o mesmo nome a Oeste do Nilo, numa região onde aqueles répteis eram extremamente abundantes no Egito faraónico. Como o eram em Kom Ombo e em todo o Alto Egito, surgindo vários santuários dedicados ao culto de Sobek. Além daqueles dois centros principais, recordemos também Esna, Gebelein e Gebel el-Silsila. Nestes templos existia anexamente, muitas vezes, um tanque com crocodilos sagrados, além de mumificações dos mesmos, como ainda hoje se pode ver em Kom Ombo, por exemplo.

Sobek estava ligado ao culto do rio Nilo, da divinização da água, tendo por isso clero e rituais próprios. O seu culto foi particularmente ativo e predominante nas XII e XIII dinastias, na transição do Império Médio para o Segundo Período Intermédio, por volta dos séculos XVIII e XVII a. C., com vários faraós com onomástica dedicada ao deus, como Sobek-hotep III e IV (XIII dinastia, c. 1795-c. 1650 a. C.) ou Sobek-neferu. Sobek-hotep significa, curiosamente, em antigo egípcio, “Sobek está satisfeito” ou Sobek-Neferu, “É belo Sobek”.

Sobek foi assimilado a Amon e a Ré (Sobek-Rè) a partir do Império Médio, o que revela o seu culto crescente e importância no panteão egípcio e nos cultos mais relevantes na civilização egípcia coeva. Mesmo no período Ptolemaico (332-30 a. C.) se manteve a tradição do seu culto, assimilando-se Sobek ao deus solar grego Hélios. De referir que foi durante esta época de dinastias helénicas no Egito que se fizeram vários templos dedicados a Sobek, ou melhorados outros antigos, como sucedeu em Kom Ombo, edificado no Império Novo mas renovado entre 221 e 205 a. C., por Ptolemeu IV Philopator.

A Sobek, do ponto vista religioso, prestava-se um culto associado aos seus poderes de fertilidade (por representar um animal da água, do Nilo, logo da criação do Egito e do mundo) e proteção da gravidez, embora também com relação com a morte e o enterramento, por ser um necrófago. A sua faceta negativa reportava-o, porém, a Set, irmão traidor de Osíris e assassino deste. Acreditavam, alguns Egípcios que Sobek, em forma de crocodilo, foi o devorador do coração de Osíris, ligando o deus réptil a uma ideia de terror e aniquilamento. Mas como o Sol que todos os dias saía da terra e se elevava no céu, também todos os dias o crocodilo saia da água, relatavam os egípcios, logo associando Sobek ao deus primordial Ré, como ao ressuscitado Osíris.

 

Uma enquete para Sobek!

Os deuses nórdicos: primeira parte – Thor, Odin (wotan), Loki e Freya.

Esta galeria contém 76 imagens.

Veja dois dos maiores inimigos dos deuses escandinavos nesta enquete e compare com outros super vilões mitológicos! Antes do post, nova enquete: Leiam A Nova Teogonia Livro I e Livro II, de minha autoria. A Nova Teogonia tem na Livraria Cultura também! xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Freya Como Deusa da Beleza, Freya, igual a todas as mulheres, era apaixonada por […]