É o fim – Crítica do filme

Esta galeria contém 7 imagens.

É o fim. Eu não vou escrever sobre os atores que interpretam a si mesmos no filme, pois todas as outras críticas já abordaram exaustivamente e de forma entediante esse tema. E pelo mesmo motivo não vou me deter no aspecto pastelão e intimista do filme – dirigido e estrelado por amigos, que se auto […]

O Inferno de Dante Alighieri, a Divina Comédia

Inferno de Dante Alighieri

Obs.: Você pode notar como há justiça na religião católica. Só porque o cara nasceu antes de Cristo tem que ir para o primeiro círculo do Inferno. Lamentável.

Obs. 2: É estranho essa ideia de que as nossas escolhas nesta vida terão reflexo no pós morte. Aliás, acho isso ridículo. Primeiro pela razão tempo. A vida do ser humano não é nada perto da eternidade, porque um lampejo de vida irá gerar consequências para o resto da vida pós morte? As escolhas das pessoas são em grande parte influenciadas pelas circunstâncias em que elas se encontram, pela educação e exemplos que teve. Se eu passasse fome, iria roubar para sobreviver. Se eu não tivesse educação, não daria tanto valor à vida. Seria punido eternamente por isso? Em segundo lugar, qual a finalidade de se manter uma estrutura como o Inferno? Punir, punir, punir. O capeta seria muito mais inteligente se militarizasse o seu povo para mover guerra contra o céu, de onde foi expulso por tentar quebrar a hierarquia e o continuísmo de lá – assim como foram quebradas muitas ditaduras por aí. Terceiro: pecado é relativo. Cada tempo tem seu pecado. Hoje, adultério não é mais crime, masturbação não é mais considerada doença, ter uma religião diferente da católica é direito. Quarto: ninguém sabe se há vida após a morte e a natureza das coisas indica que não há. Quinto questionamento: dizem que todos aqueles que crêem em Deus vão para o Paraíso. Basta crer em Deus? Como ficam os psicopatas? É um critério justo esse? Posso ser um filho da puta desde que acredite em Deus? Reservarei um lugarzinho no céu mesmo que venda lugares nele para ignorantes? E quantos aqueles que são ignorantes? Eles têm aptidão para saber o que é certo e errado? Alguém tem essa aptidão? Sexta questão: somos humanos, num dia escolhemos um caminho, noutro podemos escolher um diverso. Podemos e costumamos voltar. Também podemos ficar parados. Quem nunca se arrependeu um dia? Quem nunca voltou atrás? Quem nunca mudou de opinião? Quem nunca fez escolhas diferentes em situações semelhantes? Se podemos ser tão contraditórios, e de fato somos, porque uma escolha pode gerar repercussões para o resto de nossas vida após morte? Se ainda fosse limitada à nossa vida… Podemos mudar sempre, e pagarmos eternamente por uma escolha… é justo, razoável ou proporcional? Sete: somos apenas seres humanos, não temos super poderes, somos uma conjunção de sentimentos, aprendizados, circunstâncias – a maioria aleatória -, herdeiros da cultura pretérita… Por que dar tanta importância para decisões erráticas de seres erráticas? (continuo algum dia).

Anjos vs demônios

Grandes batalhas XXIX: Eva vs Lilith. Quem deu mais dor de cabeça para Adão?

Adão e eva, adam and eve

 

Grandes batalhas VIII – Que mulher mais ferrou a Humanidade?

Monte Olimpo, Mount Olympus, Olimpo, Asgard, Ponte Bifrost, Valhalla, Campos Elíseos, Elysium, Paraíso, Heaven

O Monte Olimpo (em grego: Όλυμπος, também transliterado como monte Ólimpos em mapas modernos, Óros Ólimbos) é a mais alta montanha da Grécia, com 2917 m de altitude máxima e 2355 m de proeminência topográfica. O Monte Olimpo é uma das mais altas montanhas da Europa, em altitude absoluta da base até o topo. Está situado a 40°5’N 22°21’E, a cerca de 100 km de distância de Salônica, segunda maior cidade da Grécia. Localiza-se próximo do Mar Egeu, na Tessália.

O seu ponto mais alto é designado Mitikas. O Monte Olimpo é reconhecido pela sua flora, a qual é muito rica, sobretudo devido à presença de espécies endêmicas.

Qualquer um que queira escalar o Monte Olimpo começa a partir da cidade de Litochoro, que acabou também por receber o nome Cidade dos Deuses, devido à sua localização próxima à base do Monte Olimpo.

Olimpo é um nome popular para montanhas em todo o mundo. Além do Monte Olimpo na Tessália, há na Grécia mais quatro com esse nome: na Mísia, na Cilícia, na Arcádia e na Élida.[1] Ainda há um com o mesmo nome e que é o ponto mais alto da ilha de Chipre (Monte Olimpo), um na antiga região da já extinta região de Frígia, e outros dois nos estados norte-americanos de Utah e Washington, além de um vulcão em Marte (Olympus Mons).

O Monte Olimpo, também conhecido por seu nome em latim, Olympus Mons, é um vulcão extinto do planeta Marte, sendo o maior vulcão do Sistema Solar. Ele ergue-se a 27 km acima do nível médio da superfície marciana, sendo três vezes mais alto que o Monte Everest. Sua base estende-se por quase 600 quilômetros. Sua caldeira tem dimensões de 85 km por 60 km

O Monte Olimpo foi descoberto pela sonda espacial Mariner 9 da NASA em 1971, embora já fosse do conhecimento de astrônomos desde o século XIX. Tem um declive suave, o que faz sua base ser vinte vezes maior que a altura. (Fico imaginando se seriam os deuses marcianos kkkkkkkk)

Adquira sua casa no Olimpo ou em Asgard aqui.

Quanto será que custa um terreno nesses lugares? Será que tem especulação imobiliária como aqui na Terra? Os deuses venderão lotes ou financiarão terrenos a preços amigáveis, sem juros capitalizados? E a incorporação imobiliária? Há limitação administrativa para construir? Há fólio real?

Vote em uma das inúmeras enquetes mitológicas:

Algumas enquetes mitológicas:

Mais enquetes divinas e mitológicas:

Há mais enquetes abaixo!

Asgard, ponte Bifrost e Valhalla

Asgard (em nórdico antigo: Ásgarðr) é o reino dos deuses, os Æsir, na mitologia nórdica, mundo separado do reino dos mortais, Midgard. Asgard era, originalmente, conhecido como Godheim (o repouso dos deuses), pois os primeiros investigadores da mitologia confundiram o nome do mundo dos deuses com o seu castelo mais importante e, neste caso, Godheim se tornou Asgard em muitas fontes históricas.

Os muros que cercam Asgard foram construídos por um gigante (identificado frequentemente e equivocadamente como Hrimthurs). Como pagamento por seu trabalho, ele deveria receber a mão de Freya em casamento que é uma das deusas mais belas e também Deusa da fertilidade, do sol e da lua. O acordo só valeria desde que o trabalho fosse terminado dentro de seis dias. O gigante possuía um cavalo muito rápido e forte. Com o intuito de evitar honrar o acordo, Loki por ciúme da deusa e tentando agradar seu pai Odin transformou-se em uma égua e no último dia do acordo ele foi lá e seduziu o cavalo mágico do gigante, Svadilfari. Deste modo, o trabalho não foi terminado a tempo, e os deuses conseguiram evadir-se do pagamento. Loki em compensação pela “distração” do cavalo do gigante pariu Sleipnir, o cavalo de 8 patas que posteriormente, foi dado a Odin como um presente.

O guardião de Asgard é Heimdall. A planície de Ida é o centro de Asgard. Os Æsir encontram-se lá para a discussão de temas importantes – os deuses masculinos reúnem-se em um salão chamado Gladsheim, e as deusas em um salão chamado Vingolf. Eles também encontram-se diariamente no Well of Urd, abaixo de Yggdrasil.

Alternativas: Ásgard, Ásgardr, Asgardr (Fonte Wikipédia)

Valhala, Valíala,Valhalla ou Walhala (do nórdico antigo Valhöll “Salão dos Mortos”) é um majestoso e enorme salão situado em Asgard, dominado pelo deus Odin. Escolhidos por Odin, metade dos que morrem em combate são levados para Valhalla após a morte pelas Valquírias, enquanto que a outra metade vai para os campos Fólkvangr da deusa Freyja. Em Valhalla, os mortos se juntam às massas daqueles que morreram em combate conhecido como Einherjar, bem como vários heróis lendários da mitologia germânica, que se preparam para ajudar Odin durante os eventos do Ragnarök. Antes do salão ergue-se a árvore dourada Glasir, e o teto da sala está coberta de escudos de ouro. Várias criaturas vivem em torno do salão, como o veado Eikþyrnir e o bode Heidrun, ambos descritos como estando no topo de valhalla e consumindo a folhagem da árvore Læraðr.

s

Na mitologia nórdica, Bifrost (ou Asbru) é o nome da ponte que estabelecia a ligação entre o domínio dos deuses, Asgard, e a Terra, Midgard, terra dos mortais. Os deuses viajavam diariamente para realizar seus conselhos sob a sombra da árvore Yggdrasil. A ponte era representada por um enorme arco-íris e seu guardião era Heimdall. A cor vermelha do arco-íris era formada por um fogo flamejante, que servia como defesa contra os gigantes. No final do mundo, a ponte seria destruída durante o Ragnarök. Foi construída pelos Aesir. (Fonte wikipédia)

Outras enquetes que opõe vários deuses ou criaturas de direfentes mitologias:

As enquetes acima estão melhor explicadas nos respectivos posts! Entre na categoria “pancadaria” para vê-los!

Campos Elíseos

Paraíso

Originalmente, a palavra céu (do latim caelu) referia-se às regiões acima da superfície da terra onde estavam situados os “corpos celestes”. Este é o primeiro significado da palavra na Bíblia (shamayim, Gen. 1:1). Também foi considerado como a morada de Deus e seus anjos. Todavia, o termo é também usado comumente como sinônimo de outras palavras significando a morada dos justos em algum momento após sua morte, tal como “paraíso”.

Embora existam variadas e abundantes fontes de concepções do Céu, o ponto de vista típico dos crentes parece depender principalmente de suas tradições religiosas e seita particular. Algumas religiões conceitualizam o Céu como pertencente a algum tipo de vida pós-morte pacífica relacionada à imortalidade da alma. Imagina-se que o Céu seja um lugar de felicidade, por vezes de felicidade eterna. Um estudo psicológico dos textos sagrados religiosos através das culturas e da história poderia descrevê-lo como um termo que significa um estado de “plena vivência” ou inteireza.

No antigo judaísmo, a crença no Céu e na vida pós-morte estava vinculada a crença no Seol (mencionado em Isaías 38:18, Salmos 6:5 e Jó 7:7-10). Alguns eruditos afirmam que Seol era um conceito anterior, mas esta teoria não é universalmente aceita. Uma seita judaica que sustentava a crença na ressurreição era conhecida por fariseus e tinha como opositora os saduceus, que negavam a ressurreição dos mortos (Mat. 22:23). No cristianismo, o Céu ou é uma vida pós-morte eternamente abençoada ou um retorno ao estado antes da queda da humanidade, um novo e segundo Jardim do Éden, no qual há a chamada pelos católicos,visão beatífica(Onde todos podem ver à Deus) num estado perfeito e natural de eterna existência, e geralmente acreditam que esta reunião pós-morte é consumada através da fé de que Jesus Cristo morreu na cruz pelos pecados da humanidade, foi ressuscitado e ascendeu corporeamente ao Céu. Exemplos de diferentes terminologias que referem-se ao conceito de “Céu” na Bíblia cristã incluem:

Reino dos céus (Mateus 5:3), no reino de seu Pai (Mateus 13:43), vida (Mateus 7:14), vida eterna (Mateus 19:16), o gozo do teu senhor (Mateus 25:21), galardão (Mateus 5:12), o reino de Deus (Lucas 6:20), meu reino (Lucas 22:30), a casa de meu Pai (João 14:2), santuário (Hebreus 9:12), Jerusalém celestial (Hebreus, 12:22), paraíso (2 Coríntios 12:4), coroa incorruptível (1 Coríntios 9:25), coroa da vida (Tiago 1:12), coroa da justiça (2 Timóteo 4:8), coroa da glória (1 Pedro 5:4)

As grandes religiões orientais (hinduísmo, budismo, taoísmo e confucionismo) e doutrinas ocidentais, acreditam em reencarnação e moksha (libertação) em vez do Céu, mas mesmo assim incluem alguma idéia de Céu semelhante (mas não necessariamente igual) ao conceito mantido pelo cristianismo e outras religiões monoteístas. Por exemplo, no budismo existem vários Céus, todos os quais fazem parte da Samsara (realidade ilusória). Aqueles que acumulam bom karma podem renascer em um deles. Todavia, sua estadia no Céu não é eterna—eventualmente, usarão seu bom karma para renascer em outra realidade, como humano, animal ou outros seres. Visto que o Céu é temporário e parte de Samsara, os budistas concentram-se mais em escapar ao ciclo de renascimentos e atingir a iluminação (Bodhi). Na doutrina espírita, o Céu é designado pelo termo “colônias espirituais”, sendo a mais famosa delas Nosso Lar. Nas tradições nativas do confucionismo chinês, o Céu (Tian) é um conceito importante que remete a uma idéia de harmonia subjacente, onde os ancestrais residem e do qual os imperadores retiram seu mandato para governar. Outrossim, na crença hinduísta, há um “Céu transitório” denominado Svarga, destinado às almas que fizeram boas ações mas que não tornaram-se ainda merecedoras de moksha ou da fusão (união) com Brahma.

Na tradição bíblica, o Jardim do Éden, do hebraico Gan Eden, גן עדן, é o local onde ocorreram os eventos narrados no Livro do Génesis (Gen., 2 e 3), onde é narrada a forma como Deus cria Adão e Eva, planta um jardim no Éden (a oriente), e indica ao homem que havia criado, para o cultivar e guardar.

A ordenança dada por Deus seria a de que o Homem podia comer os frutos de todas as árvores do jardim, excepto os da árvore do conhecimento do que é bom e do que é mal. Ao desobedecer esta ordenança e comer esse fruto proibido, Adão e Eva ficam a conhecer o bem e o mal, e do pecado nasceu a vergonha e o reconhecimento de estarem nus. Em resultado da desobediência, Deus expulsa o homem do jardim.

O Jardim do Éden, a sua localização e a tentativa de reencontrar a felicidade perdida após a expulsão, são um dos temas centrais de múltiplas lendas e mitos e inspiraram inúmeros artistas, sendo uma das inspirações mais frequentes da arte européia.

Fonte: Wikipédia.

Céu vs inferno

Anjos, angels, dark angel, angel, anjo, fallen angels, anjos caídos, azazel, arcanjos, metraton, Archangel

Ajude os anjos clicando aqui.

Help angels here.

 

Seguem vários anjos, a maioria com feições e traços de belas mulheres selvagens, para variar. Não me importa a discussão sobre o sexo dos anjos. E se não se fizer a distinção entre feminino e masculino, havendo apenas um gênero, que prevaleça nos anjos a aparência e os trejeitos do sexo feminino, pois.